Quando nem a Banana tem preço de banana, o que é que a gente faz?

É isso mesmo, o preço de banana sofreu um aumento de 100%, de acordo com Radar Econômico.

Para reportagem completa, vide: Estadão

O mais interessante, é que embora os manuais de microeconomia, como Mankiw e Varian, apresentem de maneira bem clara, quase poética, a questão dos bens substitutos, se o preço de um bem sobe, isso faz com que o consumo de outro aumente, o brasileiro parece ter umas curvas de preferência muito específicas, em que bananas são estritamente preferidas a todas as outras frutas, arroz e feijão estritamente preferidos a todos os outros carboidratos. Cultura não está prevista nestes manuais, e ou o brasileiro deixa de ser manhoso e mimado, e começa a flexibilizar sua cesta de consumo, ou poderá consumir cada vez menos, porque se recusa a consumir qualquer outra coisa.

Anúncios