A Economia dos Estacionamentos

Um dos meus posts mais famosos de todos os tempos fora a Economia das Multas de Trânsito. O estacionamento rotativo é um assunto sempre em alta quando se trata das grandes cidades. Sendo assim, resolvi elaborar sobre um assunto que anda sempre lado a lado: Os Estacionamentos privados.

Estes estão cada vez mais comuns, e embora antes fossem comumente encontrados somente em regiões centrais, o aumento do tráfego de maneira generalizada fez com que estes se proliferassem com inclinação igual ou superior. Hoje, estacionamentos privados estão se tornando uma excelente fonte de renda, e um interessante negócio a ser estudado.

Começaremos avaliando os tipos de custo envolvidos no ramo. O investimento inicial mais significativo é o terreno em si. A princípio, somos levados a crer que este valor não precisaria ser assim tão grande, afinal de contas, é um terreno vazio. Mas, como bons economistas que somos, não nos deixaremos levar pela simplicidade aparente das situações, e pensaremos em custos de oportunidade.

Se um lugar está propenso a grande fluxo de pessoas, está igualmente propenso a grande fluxo de capitais, e grande fluxo de veículos ((pelo menos até que o tele transporte seja inventado)). O grande fluxo de veículos por si só já seria uma boa razão de estabelecer-se um estacionamento privado, no entanto, para que um estacionamento seja aberto, é preciso que haja terreno. Comprar ou alugar um terreno vazio em um local de grande fluxo de pessoas é um desafio, afinal de contas, onde há muitas pessoas, há promessa de negócios, e os estacionamentos precisariam se provar mais lucrativos e interessantes do que a fundação de um novo comércio, ou local de prestação de serviços. Sendo assim, quanto custa um estacionamento?

A mão de obra é barata, e pouco especializada. Você precisa de alguém que saiba manobrar, e fazer algumas contas de matemática básica, receber e cobrar dinheiro, sem te roubar ((incluir boa índole na mão de obra, ainda que pareça óbvio, tem se mostrado mais um diferencial do que um pré-requisito)). O número de funcionários dependerá do tamanho do estacionamento, mas vamos calcular entre um e três. O espaço disponível para veículos é parte responsável pelo lucro, não porque a oferta gera demanda, mas sim em sua capacidade de fazer uso da demanda existente. O custo de entrada é alto, mas o custo marginal de carros é irrisório. Sendo assim, temos em business o conceito de uma atividade bem alavancada operacionalmente, e portanto deveria trazer altos retornos, mas igualmente altos riscos. Mas qual o risco de um estacionamento? A ausência de carros. Infelizmente, a única chance de isso acontecer seria se nosso dinheiro gasto em impostos fosse de fato revertido para melhoria no transporte público, ou se táxis se tornassem mais acessíveis. Sendo assim, acho que é seguro dizer que estacionamentos ainda terão seus fluxos de caixa garantidos por muito tempo.

Anúncios