Neve e Receios

Enquanto andava cuidadosamente esta semana pelas ruas do campus, percebi a nítida relação entre neve e receios.

Receios podem cair aos poucos, ou vir em tempestade. Eles não simplesmente desaparecem depois de entrarem em contato com o chão, toda a situação climática o impede de derreter ou evaporar, até chegar ao ponto de que está tudo tão coberto que é praticamente impossível distinguir o que é estrada do que não é, o que é firme do que não é. Neve bloqueia a porta de casa, tornando extremamente difícil para nós simplesmente sairmos do conforto e segurança de nossos lares. Quando resolvemos nos aventurar, requer extrema cautela, para descobrir aos poucos onde se pisa.

Aos poucos a neve começa a fazer parte da paisagem. Você se acostuma com ela, e nem para mais para pensar o que está escondido debaixo de tantos flocos brancos. A neve torna a paisagem homogênea, difícil de distinguir. Tratores passam todos os dias para empurrar a neve das ruas para os cantos. Ela não deixa de existir, apenas fica amontoada em um canto, e você evita passar perto.

Quando o clima volta a esquentar, a neve começa a se desfazer. Este é o seu momento mais perigoso. O clima é feito de ciclos, ele não esquenta de uma vez só, ele aumenta de diminui, de forma que a neve derrete, mas congela novamente, formando uma fina camada de gelo no chão, praticamente invisível, mas extremamente escorregadia. Você se sente confiante com a paisagem que começa a mudar, e negligencia o cuidado ao andar, pensando estar pisando em caminho seguro. É aquele seu receio que quase se foi, mas deixou vestígio aliada a seu excesso de confiança que te faz cair e machucar, sem tempo de se defender ou amortecer a queda. É este tipo de gelo – chamado black ice – que lota os pronto socorros e os hospitais.

Conheça a neve e estará melhor preparado. Conheça seus medos, seus receios, aprenda a andar em cada um deles, porque você pode até cair, mas terá evitado tantas outras quedas.