Coisas que a Fisioterapia me ensinou

Desde que eu me machuquei ano passado ((Proeza incrível de machucar o tornozelo esquerdo e cravar um sorriso de fora-a-fora no meu joelho)) eu precisei começar a fazer fisioterapia. Honestamente, no princípio eu achava horrível, tempo de deslocamento, repetitivo, uma pessoa te mandando fazer as coisas. Mas como tudo na vida, trouxe grandes aprendizados, que eu não conseguia ou não queria ver em um primeiro momento.

  1. Reconheça suas limitações – Qualquer discurso de comece com: “Mas antes eu conseguia….” está errado. Tudo o que eu dou conta de fazer está condicionado ao momento em que me encontro, e à sucessão de eventos que me trouxeram onde estou. Reconhecer suas limitações não é aceitar a derrota, mas sim a capacidade de avaliar sua capacidade atual de desempenhar tarefas.
  2. Existem diferentes tipos de dor – Este é o famoso “sair de sua zona de conforto”. Quando você machuca, não é só o seu cérebro que se traumatiza, o músculo também. Para evitar dor, limitamos nossos próprios movimentos, e impomos limitações que não são só decorrentes do trauma físico, mas também do intuito de fugir da dor. Assim que você tentar fazer algo que não fazia há muito tempo, sentirá dor, mas ela vem em tipos diferentes. Existe uma dor que passa ((ou pelo menos melhora)) à medida em que você repete o exercício. Este tipo de dor vem do medo do seu próprio corpo de se machucar novamente, mas à medida que você executa a atividade, ele reconhece que é possível, e não mais emite sinais para que você o evite. Existe a dor que piora quanto mais você insiste nela, e de fato este último tipo acaba te machucando novamente, o que te fará retroceder no seu desenvolvimento.
  3. Não subestime o poder da repetição – Existe um fenômeno interessante que ocorre quando fazemos atividades pequenas. Primeiro você não sabe bem como fazer, então você presta extrema atenção e ainda erra algumas vezes. Depois você chega a um ponto que aprendeu, mas ainda reconhece todas as partes do processo. À medida em que continua fazendo, algumas das partes do processo se misturam em sua cabeça, começam todos a fazer parte de uma coisa só. Um dia, você é incapaz de ensinar a alguém a fazer o que você sabe, porque faz sem nem pensar, e não reconhece mais o processo. Este ponto acontece com seus movimentos, você não se lembra mais do que é preciso para andar, simplesmente faz. Mas quando você se machuca, precisa reaprender e re-ensinar a si mesmo a maneira dez se fazer estas coisas. Não subestime o poder de rever processos passo a passo, ainda que você saiba, pois um músculo bem treinado é menos provável de se machucar.
  4. Compensação – Quando uma parte do seu corpo está defeituosa, ou com alguma dificuldade, as outras trabalham duro para compensar ainda que você não perceba. Você vai esforçar mais um olho que o outro, se apoiar mais em uma perna, tentar observar gestos quando você não entende à língua. Mas por mais que seu corpo se esforce, não será o mesmo e haverá efeitos colaterais. Eu inflamei meu tendão tentando andar de uma forma que doesse menos. O objetivo ((andar no caso)) foi cumprido, mas não da melhor maneira possível. Tente o máximo possível consertar ao invés de compensar.
  5. Estabeleça objetivos factíveis – Seu objetivo nunca pode ser astronômico, ainda que sua vontade seja. Sua vontade pode sempre tender ao infinito, se ela for canalizada para obtenção de motivação para seus objetivos. Você não vai entrar na escola e sair doutor no primeiro dia, você não vai emagrecer 50 kg em uma semana, e você não vai correr uma maratona no primeiro dia que você resolve calçar um tênis. Seja realista com seus objetivos, e faça sempre pequenas metas, para que possa sentir que está progredindo e alcançando mais a cada dia.
  6. Seja paciente – Alguns dias você vai avançar, outros irá retroceder. Embora o caminho mais curto entre dois pontos seja sempre a linha reta, de vez em quando vale à pena fazer um detour ao invés de tentar um salto com vara para cruzar o precipício. A obsessão com a linha reta pode te impedir de completar a jornada.

Mas de todas as coisas que eu aprendi na fisioterapia, sem dúvida alguma foi que os seus maiores avanços na vida, ocorrerão sem que você se dê conta. Hoje pela primeira vez em me dei conta de que eu estou subindo as escadas sem sentir dor, e honestamente, eu não sei quando isso aconteceu, mas desde que me machuquei, este foi meu maior limitador.