Indagações sobre a democracia

Há sempre um lado positivo em viver cercado de pessoas de outros países, principalmente pois se tem a oportunidade de compartilhar como as coisas funcionam em seu país de origem, e saber que as coisas podem ser diferentes. No meu ponto de vista, acho força e reafirmação quando percebo que as coisas não são tão ruins quanto poderiam ser, acho também motivação quando vejo que as coisas poderiam ser melhores do que são.
Ontem a noite, depois de um longo dia reassistindo debates entre os candidatos à presidência, eu fui como de costume de volta ao departamento de Economia para estudar. Encontrei por lá um colega de classe, também candidatos à PhD em Economia, chinês. Ele me perguntou como havia sido o meu dia, e eu, ainda vestida em indignação, comecei a lhe contar sobre os debates, as perguntas e as respostas dos candidatos, sob um ponto de vista econômico, que é nossa área de especialização. Ele estava muito curioso, me perguntou sobre alguns dados sobre o Brasil, sobre como funciona nosso sistema político, sobre nossa taxa de inflação, nosso crescimento…quando eu lhe disse que estávamos estourando a meta de inflação, e crescendo praticamente nada, ele parou, refletiu e disse: É, realmente a situação é complicada. Francamente, eu tentei me colocar na posição dele, e comecei a pensar: Se eu fosse ele, a primeira coisa que eu me perguntaria é porque um país que cresceu menos de 1% neste ano ainda faz parte do BRIC? Porque estamos lá, de mãozinhas dadas com a China cada vez que nomeiam os países emergentes.
O silêncio pairou por aquilo que parecia infindável enquanto eu submergia em meus pensamentos…
Foi meu colega quem quebrou o silêncio, com uma frase que me cortou lá no fundo: “Eu queria poder votar”…ele continuou seus pensamentos: “Deve ser legal poder escolher seu presidente, ver eles debaterem, tentarem te convencer que eles valem à pena. Para mim, não existe democracia, só o partido comunista que tomas as decisões. Mais da metade da nossa população é miserável, e isso é o melhor que nós tivemos em décadas, porque agora nosso governo começou a investir…A vida na China mudou muito desde que começamos a ser considerados emergentes, mas para o cidadão comum, a coisa não mudou muito. Nos faltam meios de fazer valer o que queremos. Todas as decisões são tomadas pela elite, e depois comunicadas a nós. Eu estudei Economia na faculdade e capitalismo e democracia sempre foram utopias de um mundo distante. Eu vim estudar nos Estados Unidos para tentar entender como tudo pode ser diferente. Uma economia que cresce, e um povo que diz o que quer.”

Povo Brasileiro, eu digo aqui minha opinião econômica sobre os candidatos, mas acima de tudo, quero que saibam que o que eu mais valorizo é o nosso direito de escolher. O destino e as decisões deste país estão em nossas mãos. Eu não quero ser a China, e crescer uma taxa galática ano a ano se isso significar a minha ausência de opinião. Mas também não quero que o custo dessa democracia seja essa situação econômica que nos encontramos atualmente. Não porque eu não ache que a democracia não valha à pena, mas porque sei que é possível ter democracia lado a lado com uma economia muito melhor do que essa que vemos hoje.

Bora Votar!
urna